terça-feira, 21 de junho de 2016

Agora a onda é falar da Peppa

Comentário sobre um blog cujos autores ora espantam, ora impressionam, mas sempre, no fim, espantam a este pobre autor aqui: http://www.economistax.com/economia-em-peppa/

Deve ser difícil com o Goldfajn puxando de um lado e o Eduardo Cunha puxando do outro ter que segurar a onda do pixuleco.

Quando a gente não pode mais bater no peito e dizer "vamo falá martingal... Timão eo timão eo" porque afinal está 5 a 0 e o primeiro tempo acabou de terminar. É nessa hora que a gente faz o que o Summers falou que quem fazia era o Krugman. Mas gente, Krugman, para tantos uma espécie de Lebron James do mal da economia, ser como o Krugman é como assim sonhar.

O Summers dizia que o Krugman é muito bom de ficar na arquibancada dizendo que o juiz é ladrão, que o esquema tático é ultrapassado e que murcharam a bola, mas não desce nunca nas quatro linhas para ir bater uma bolinha ele mesmo (não foi bem assim que ele disse, mas foi nesse nível de abstração e com a eloquência que lhe é particular).

Ex-economistas importantes, tornados depois investidores, palestrantes etc têm o costume de aos meus olhos ao menos tornarem-se, com o tempo, ridículos. Na realidade, pensando bem sou eu que sou ridículo de olhar o Instagram do Gustavo Franco a andar pelo mundo com aquele bonequinho inflável, ridículo, a reiterar a dimensão do seu legado à posteridade.

Murcho o pixuleco, atingidos os objetivos políticos, a perspectiva daquela caranga a preços internacionais ora tão distante quanto no tempo em que as costeletas de Fittipaldi eram "cool", não há o que fazer senão Krugmanizarmo-nos todos porque o déficit é antes de tudo de credibilidade, a perpetuar a eterna dança do arrocha nas praias de mais de quinhentos verões.

Sobre Peppa, sendo um desenho animado inglês, levando-se em conta que o estudante britânico médio é sujeito a uma carga de doutrinação no economicismo psedudonewtoniano do séc XIX em uma medida semelhante ao que Diogo Mainardi recebeu em sua curta passagem pela LSE, substituindo-se, sem perda de generalidade, a influência de Ivan Lessa por doses cavalares de Scotch e do que por lá chamam de "beer", Peppa enfim estava fadada a contribuir na sustentação da farsa que torna toda mensagem subjacente pretensamente adulta traficada em uma prosopopeia de personagens improváveis (de que os porcos falantes são exemplos acabados) uma mistura, em medidas iguais, de "A revolução dos bichos" e "Road to Serfdom".

Tudo isso então para dizer que o artigo poderia ser tanto sobre "V de Vingança" como sobre "Peppa a Porquinha".

terça-feira, 1 de abril de 2014

Translating Rodrigo Constantino

Translation errors are mine and mine alone.
In my defense I can only say the original in Portuguese is, in my opinion, only a tad better, that I am not a translator by trade and that I have a day job that doesn't leave me a lot of time for this.

I just had to share this, startling as it is.

This is my English translation for a blog article from Brazilian weekly Veja:


Are half-naked women to blame for being raped? No, but...

A poll by research institute Ipea that appeared on "O Globo" newspaper today shows that many Brazilians believe women "deserve" to be raped when they exhibit "bad" behavior, wear short clothes etc. Those are startling results, which denote our civilizational backwardness. The news report says:

"There would be less rape if women behaved". After reading that statement in a questionnaire from Ipea (Applied Economics Research Institute from Brazil), 58.5% of the 3 810 poll respondents agreed completely or partially agreed with it. The data appear in a study called "Social Tolerance to Violence Against Women" (TN: "tolerância social e  violência contra as mulheres" in the original), made by the institute's "System of Social Awareness Indicators" and made public last Thursday.

With data collected between May and June of 2013, the study also shows that, to 42.7% of poll respondents, women with revealing clothes deserve to be attacked. Moreover, 63% agreed, totally or partially, that "cases of home violence should only be discussed with family members". Still, 89% agreed that "dirty laundry should stay in the home" and 82% agreed that "you shouldn't mess with husband and wife fights" (TN: those are old popular sayings in Brazil).

Brazil still has a lot to evolve. At least the vast majority believe husbands who beat their wives should go to jail, which is mildly comforting. But the mentality by which the blame for the rape falls into the victim is shocking, absurd. It is an analogue to the one by which the rich are to blame for being kidnapped or robbed, as if inequality itself gave thieves the right to steal.

Having said that, and making it clear that nothing justifies rape or robbery, we can be realists and understand that, if opportunity doesn't make the thief, it can at least stimulate them. Consider: Sakamoto (TN: Brazilian left-wing blogger) looks ridiculous when he blames the car owner for the carjacking, appealing to left-wing sensationalism, but I wouldn't parade with a Porsche (that I unfortunately don't have) in the streets of Rocinha (TN: large and well known favela in Rio).

When TV host Luciano Huck had his Rolex stolen, many in the left used the same argument: who told you you can be ostentatious in a poor country? A ridiculous argument, like Sakamoto's, and all those who blame the young woman victim of rape (TN: that's a reference to a current event, and a specific young woman), because of her revealing garments. But I wouldn't wear a golden Rolex that I (unfortunately) don't have in the Maré favela. 

What do I mean by all that? That no one has the right to rape or to steal, that no one "deserves" to be victims, and that victims cannot be made culpable of the crimes they suffered; but, having made that important remark, it is important to keep the realism and understand that, despite all that, we shouldn't give bad luck a chance.

There are studies and polls, as I've previously commented, showing a correlation between the Sexual Revolution and a higher number of rape cases. That isn't a Brazilian phenomenon, but a worldwide one. The ever more precocious sexualization, the funk music that stimulates vulgarity, provocative women wiggling half naked to the ground, all that attract rapists like flies in a honey pot. 

To recognize such truism isn't the same as blaming women for being raped. Of course not. It is just realist to the point to state that, given the pre-civilizational environment we live in, all those things stimulate crime like parading with a Rolex in a favela in Rio would (unless you're mistaken for a drug lord).

I will say something even more shocking to the reader: Brazil isn't Switzerland. Some degree of adaptation because we live in the country of "scoundrels" (TN "malandros" in the original), who created a country of suckers, must exist. I support harsher punishment to criminals as the main instrument to curb crime, be it robbery or rape. But denying the "cultural" influence is impossible. (TN I don't think the last few phrases in the original make grammatical sense, so I am doing my best here)

What is the solution? To have women wear burkas? God rid us from the Islamist curse! It would be just like preaching the Sakamoto solution to fight crime: to abandon our material possessions (even though he clings to his Apple MacBook, because nobody's perfect). It would be the victory of criminals. 

That doesn't prevent us nonetheless from attesting that growing licentiousness and debauchery have contributed like a stimulant to potential perverts. Add to that our sexist culture and the impunity climate, and we have the perfect recipe for a catastrophe.

Meanwhile the machoism culture doesn't go disappear and exemplary punishment doesn't arrive, it would be recommendable, indeed, that young women presented themselves a little bit more cautiously, displayed a tad more of modesty, and preserved slightly better the private parts of their silicone-augmented bodies. I have no doubt that "upright girls" are at less risk of sexual abuse.

I will resort to reductio ad absurdum in the hopes of making my point even clearer: does the woman who goes to a construction site at the end of a shift, and starts wiggling to the ground to the sound of "na boquinha da garrafa" (T.N. Brazilian song filled with sexual double entendres), believe she exerts any influence in the risk of loss of sexual control by some potential pervert or not?

Back to my analogy, and to close the argument, I wouldn't have a banquet in front of a legion of the hungry. And I am sure that my left wing colleagues wouldn't too. That is so true that they're used to taste their caviar with champagne isolated in their mansions or penthouses, away from the prying eyes of those they swear to defend...

P.S.: now, like journalist José Maria reminded, me, why the hell does an "applied economic research" institute need to run such a highly subjective poll, the response to which can vary wildly depending on how the question is made? It looks like a social conflict inducer, typical of the PT (T.N. the party of the President of Brazil) government, that adopts "divide to conquer" as its motto.

I am sorry you had to go through this.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Madraçal em inglês é Madrassa

A revista Veja, inspirada pela retórica inflamada em voga nos EUA, em uma matéria de sua última edição apelidou a UnB de "madraçal esquerdista".

(ah... desculpem-me pelos anos de ausência)

Obviamente, precisei ler a matéria a partir das impressões filtradas por uma segunda fonte, principalmente porque isso é ainda mais divertido.

Trato aqui do blog da lavra de uma mestra em Direito pela UnB, entrevistada por Veja para a sua reportagem (1).

Madraçal rima com lamaçal, lodaçal, além de preservar a métrica de um pretensioso poema dodecassílabo que incluísse as três palavras infantilmente assim:

Amor, me encontro em um pantanoso lodaçal
Ao querer-te bem sem que tenhas consciência.
Meus desejos, atirados a um lamaçal
Transtornam-me em febril e vã concupiscência!
Adeus, retiro-me ao sombrio e ermo madraçal

Madraçal é a palavra árabe para escola, usada em português normalmente para referir-se a escolas religiosas islâmicas(2).

Insatisfeitas suas pretensões amorosas, o eu-lírico acima, embebido na civilidade ocidental que o obriga a encontrar abrigo a seus preconceitos em tudo aquilo que lhe é convenientemente estranho, decide de súbito retirar-se ao que acredita ser um monastério islâmico, tão somente porque precisava encaixar a palavra madraçal em seu último verso.

O assinante de Veja, ou o eventual leitor que apanhou a revista na fila do pão, possivelmente conhecem o termo árabe pela sua versão em inglês: "madrassa".

O termo a nós duplamente estrangeiro entrou em voga na época das eleições presidenciais de 2008 nos EUA, a ponto de ser usado na grande imprensa brasileira(3).  Barack Obama foi acusado pelas facções mais raivosas de seus opositores de ter sido doutrinado em valores antiamericanos em um madraçal na Indonésia, mantendo sua fé muçulmana em segredo desde a infância com o objetivo de um dia tornar-se presidente e desferir um golpe mortal na sociedade americana, talvez com a ajuda de Osama Bin Laden, de cuja caçada ele convenientemente participou, usando sua posição de comandante das forças armadas do país que visaria destruir, de acordo com a teoria vigente nos EUA.

Já a teoria brasileira que envolve os madraçais é melhor explicada pelo supracitado blog, que por sua vez cita a reportagem de Veja:

"(...) vale a leitura completa dessa reportagem que revela todo o mal que o PT faz ao Brasil em todas as áreas e sobretudo na Educação, cuja ação petista é criminosa, ao transformar salas de aula em madraçais onde promovem a lavagem cerebral dos jovens para transformá-los em militantes da causa comunista. A rigor, quem está na UnB não cursa uma universidade, mas um centro de formação do terror esquerdista."

Ah, o doce aroma da infiltração comunista-maometana!

(1) No race BR é o nome do blog. http://www.noracebr.blogspot.com/
Ao que parece, "norace", versão brasileira Herbert Richers, deve significar "chega de raça", ou "raça não", em vez de outras possíveis interpretações como "chega de corrida", "nem tampouco o ás" ou ainda "Nora Compact Edition". O blog não mais que sugere implicitamente uma das duas primeiras interpretações, dado que se trata de um blog sobre questões raciais, e não corridas ou carteado. "Norah Jones Can Exist BR" também é uma interpretação viável: de acordo com essa teoria, seria uma referência velada à cantora indiana-americana Norah Jones, ganhadora de múltiplos Grammies com o single "Don't Know Why" e o álbum "Come Away With Me".  Filha do famoso citarista Ravi Shankar (fato que muitos desconhecem), que gravou com os Beatles e, depois da dissolução do grupo, com George Harrison, ela própria é fruto da miscigenação e um exemplo excelso da integração racial entre caucasianos e indianos, povos aliás antigamente denominados "arianos" até que o nazismo tornou a acepção um tanto carregada e a antropologia evoluiu a ponto de melhor identificar a origem dos povos dos atuais Irã e Índia. 

(2) http://pt.wikipedia.org/wiki/Madra%C3%A7al

(3) A Folha de São Paulo usou o termo em inglês para referir-se ao episódio aqui: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u377580.shtml

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Lúcia Hippólito X Centrais Sindicais.... resultado ....

Suco de jabuticaba pra todo mundo ... oba!!!

Eu fico de saco cheio de falar sério. Como eu não trabalho em blogs da Veja, eu me sinto honrado de participar de uma discussão em um desses blogs, porém não tenho necessidade de atenção.

Lúcia Hippólito, no afã de ressucitar a palavra pelego com um significado exatamente oposto ao original... aqui.

Minha opinião:

- 1 -

A autora não sabe o que quer dizer "pelego".

Só acha bonito chamar sindicalista de "pelego", como se fosse sinônimo de "babaca", "trouxão" ou "truta zé ruela".

Pelego é aquele pedaço de pele de carneiro que se coloca em cima de uma montaria (ou cavalgadura, como gostam os das antigas) para amaciar o contato com as amarras dos arreios ou da sela. O pelego ajuda o animal aceitar ser montaria mais pacificamente.

Pelego, na acepção sindical do termo, é o sindicalista que defende o patrão, que está mancomunado com o outro lado das negociações.

Um sindicalista que ache bom reduzir a contribuição previdenciária dos patrões, logo, a contribuição para a própria aposentadoria, poderia ser chamado de pelego, concorde-se ou não com a tal redução. Isto é exatamente o oposto do que quis dizer Lúcia Hippólito.

Outra designação menos desairosa para este sindicalista hipotético seria liberal, "neoclássico", já que neoliberal é xingamento... convenhamos, uma raridade.

- 2 -

A autora gosta do termo "pelego". Ok, o raciocínio humano acomoda proposições contraditórias envolvendo um mesmo termo, como quando partidos políticos usam os mesmos adjetivos para se referirem uns aos outros.

O peleguismo também foi um instrumento de controle político e imposição da liderança do governo sobre os operários na época de Vargas.

Se o governo Lula exerce liderança sobre os trabalhadores, considerá-la automaticamente imposta, pelega é negar direitos aos sindicalistas, isto sim um baita retrocesso.

Centrais sobrevivem há anos com o imposto sindical, e tem sido antagonistas viscerais de governos e entidades patronais, irracionalmente até, muitos argumentam. Logo, dentre os potenciais males do imposto sindical não parece constar o peleguismo. A autora tem posições contrárias às de sindicalistas no governo, simples. Subterfúgios e slogans só atrapalham sua mensagem.


Aqui, os artigos da autora:

- 1 -

A República sindicalista – e pelega

A quebra de braço entre a Comissão de Ética Pública e o ministro do Trabalho Carlos Lupi caminha perigosamente para um final melancólico.

Ontem, o presidente da Comissão de Ética Pública desistiu e jogou a toalha: renunciou à presidência.

Em 23 de dezembro do ano passado, a Comissão solicitou ao presidente Lula que demita o ministro Lupi, mas o presidente faz cara de paisagem até hoje.

Com isso, Lupi continua afrontando a Comissão – e a ética: aparelha o Ministério do Trabalho com indicados do PDT, repassa verbas polpudas a ONGs ligadas ao PDT e, arrogantemente, declara: “daqui não saio, daqui ninguém me tira”.

Agora, o novo presidente da Comissão de Ética, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence, deu a Lupi dez dias para responder por que continua desrespeitando as determinações da Comissão.

A argumentação do ministro e seus aliados, incluindo aí sindicalistas, alguns senadores e o próprio ministro José Múcio é a de ser presidente de partido em outros países credencia à ocupação de cargos públicos, não o contrário.

Mas este não é o entendimento da Comissão de Ética Pública no Brasil. Ou bem se respeita o entendimento da Comissão, ou ela não tem nenhuma razão de existir.

Aliás, Sepulveda Pertence declarou que, se o ministro se recusar a sair, e se o presidente da República não o demitir, só restará aos membros da Comissão de Ética decidir, em caráter individual, se permanecem ou não na Comissão.

É difícil que a ética saia vencedora neste caso. Todas as seis centrais sindicais decidiram cerrar fileiras para defender a permanência de Lupi no Ministério, sendo que cinco delas entregaram ao presidente Lula uma carta apoiando Carlos Lupi e atacando o ex-presidente Marcílio Marques Moreira.

Este é um governo cheio de sindicalistas, um governo em que os sindicalistas têm enorme força. Agora, por exemplo, antes mesmo de discutir a reforma tributária com governadores e Congresso, o próprio presidente Lula recebeu no Planalto os sindicalistas para apresentar a eles o projeto de reforma.

Os sindicalistas solicitaram – e o presidente concordou – a retirada de um ponto importante da reforma: a redução da contribuição previdenciária dos patrões.

Uma das melhores iniciativas do projeto de reforma, pois propiciaria um aumento de empregos – está muito caro dar emprego formal no Brasil – foi bombardeada pelas centrais sindicais.

Afinal, o papel de uma central não é defender a criação de novos empregos, mas garantir a permanência dos benefícios de quem já tem emprego.

Com isso, antes mesmo de ver o projeto discutido por empresários, políticos e toda a sociedade, o presidente Lula já atendeu à imposição de seus velhos companheiros.

Portanto, será uma surpresa se o presidente da República decidir enfrentar a pelegada e demitir o ministro do Trabalho.

- 2 -

ecordar é viver -- Sobre pelegos, pelegada e peleguismo

Em 19.10.2007 publiquei aqui no blog:

"Será o renascimento do peleguismo?

A Câmara dos Deputados aprovou projeto que legaliza a existência das centrais sindicais. Pelo acordo firmado com o governo, as centrais receberiam parte do imposto sindical obrigatório.

Vale a pena lembrar aqui. O imposto sindical é a cobrança de um dia de salário por ano, descontado de todos os trabalhadores formais e autônomos, sindicalizados ou não.

Esta montanha de dinheiro é assim distribuída: 60% para os mais de 7.500 sindicatos; 15% para as federações; 5% para as confederações, e 20% para o Ministério do Trabalho. (isso mesmo!).

Desses 20% do Ministério do Trabalho, o governo decidiu que metade iria para o financiamento das centrais sindicais.

O governo decidiu, mas esqueceu de combinar com o Congresso, inclusive com deputados do próprio partido do presidente da República.

Na madrugada de quinta-feira, a Câmara aprovou uma emenda ao projeto, extinguindo a cobrança obrigatória do imposto sindical.

E com votos do Partido dos Trabalhadores.

Para entender esta encrenca, precisamos recuar até a década de 70, quando surgiu no ABC paulista um novo sindicalismo, bastante diferente do sindicalismo pelego existente até então.

(Parênteses importante para falar sobre o pelego. Palavra bem conhecida dos gaúchos, pelego é uma manta de pele de carneiro colocada entre a montaria e a sela para proteger o lombo do animal. Na década de 50, quando o PTB se apossou do Ministério do Trabalho e passou a controlar os sindicatos operários, “pelego” passou a designar os dirigentes sindicais subservientes ao partido e ao governo, muitas vezes sustentados pelo Ministério do Trabalho, através de empregos públicos e favores de toda espécie. Sua ação se concentrava sobretudo na contenção das reivindicações sindicais, distribuindo em troca algumas benesses recebidas do governo.)

Os novos sindicalistas, liderados por Luiz Inácio da Silva, o Lula, eram contrários à cobrança do imposto sindical, à representação por categoria e à base territorial, entre outros componentes do modelo sindical da época.

O Partido dos Trabalhadores foi fundado por estes sindicalistas, membros das Comunidades Eclesiais de Base (da Igreja Católica) e intelectuais, muitos deles especializados em movimento sindical. Estes intelectuais contribuíram para a formulação do pensamento do PT a respeito do sindicalismo, incorporando todas as bandeiras dos sindicatos do ABC.

Portanto, a luta do PT contra o imposto sindical é uma bandeira histórica do partido, talvez um dos principais fundamentos da própria existência do PT. Por isso, foi com extremo constrangimento que muitos petistas votaram a favor da legalização das centrais sindicais.

No entanto, o fim da cobrança obrigatória do imposto sindical foi apoiado por deputados do PT, e acabou aprovado, por 215 a 161.

Mas os dirigentes das cinco centrais sindicais – CUT, Força Sindical, Nova Central Sindical, Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) e União Geral dos Trabalhadores (UGT) – reagiram e prometem dar o troco.

Os novos pelegos do sindicalismo brasileiro querem pressionar o Senado e ameaçam panfletar as fotos dos deputados que votaram a favor do fim do imposto sindical obrigatório.

Afinal, eram recursos “carimbados”, provenientes do salário dos trabalhadores. Dinheiro certo, sem precisar fazer o menor esforço.

Legalizar centrais sindicais financiando-as com imposto sindical é retroceder pelo menos 50 anos. É constituir um movimento sindical totalmente atrelado ao Estado, tutelado e sustentado pelo Ministério do Trabalho.

Em vez de centrais sindicais, centrais pelegas.

É a volta da pelegada.

Lúcia Hippólito e pesados louros retroativos a Dilson Funaro, de saudosa memória.

Dizia Lúcia Hippólito aqui

"Políticos elegiam-se prometendo moratória, ou auditoria na dívida externa. Em 1986, o Brasil chegou a declarar moratória, e o ministro da Fazenda, Dilson Funaro, era aplaudido nas ruas."

eu comentei (aliás, agradeço estes estímulos a escrever):

Naquela época eu já vivia deste lado do universo, então como todo outro ser humano, sei que Dilson Funaro não era aplaudido nas ruas por ter declarado a moratória em 1986, simplesmente porque ele não o fez. Naquele ano foi implantado o Plano Cruzado, que basicamente consistia no fim da correção monetária e no congelamento de preços. A moratória foi declarada por José Sarney em 1987, em cadeia nacional de rádio e TV, após o fracasso do plano Cruzado II. Garanto-lhe que então já não havia ministro ou presidente sendo ovacionado pelos "fiscais do Sarney" do ano anterior. A única moratória de alguma relevância decretada em 1986 foi a moratória internacional à caça de baleias, vigente até os nossos dias. Moratória esta, aliás, freqüentemente desrespeitada.

Gostaria de acrescentar que creditar a eleição de qualquer político em eleições majoritárias a propostas de moratória é um revisionismo histórico inconseqüente, zombar da história de escolhas eleitorais de 1989 para cá... em outras palavras, é um escândalo, na acepção mais livre, leve e solta do termo.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Trânsito (inaugurando um novo método)

Vejam que me peguei sendo um comentarista de blog muito mais prolífico do que blogueiro... fazendo de um limão uma limonada e tentando reavivar isto aqui, vou começar a postar comentários mais longos que eu fizer nos blogs dos outros.

Comentando post sobre trânsito e rodízio no blog do Luís Nassif

Ah, o Centro Expandido, esta invenção de especialistas de tráfego imersos em estatísticas e otimizações de grafos...

... acho impossível exigir que o cidadão saiba, a cada instante, se está dentro ou fora desta fronteira "psicológica". Chama o Paulo Maluf! Ele estrelou alguns testes de conhecimento aplicados a candidatos a prefeito nos anos 90 pela Folha de São Paulo. Tenho certeza que existem trajetórias no trânsito que confundiriam um Maluf com GPS, ou um GPS com a voz inconfundível do Maluf (putz... alguém precisa inventar isso!).

Imagine então se você está indo de Pirassununga para Santos, visitar a sua avó, e precisa saber onde é ... como é, o cebolão? Ariranha Melo?

Aí o GPS do Maluf fala: vire à direita na Av. Sua Mãe! Para depois dizer "arrá! peguei você!".

Londres também tem um Centro Expandido, certamente baseado nas mesmas técnicas avançadas. É cobrado um pedágio para quem precisa trafegar pelo tal centro.

A diferença é que o "Nigel" ou a "Margareth" podem confiar na sisnalização vertical (placas) e horizontal (marcas vermelhas no chão) em toda esta fronteira não menos psicológica do que a nossa.

O trânsito de Londres só não é mais escandalosamente horrível porque pode ser comparado ao de São Paulo, o que é injusto, porque não é nem da metade do tamanho.

Dois errados não fazem um certo. Eu preferiria que ambas as medidas, inócuas, fossem abolidas, nem que fosse para poupar dinheiro de placas.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Individualidade e o direito de dispor sobre a vida de outros

O bandido do ônibus 174 foi morto pela polícia.

Se esta é a espécie de justiça que desejam, defensores da "tolerância zero" podem dormir o sono dos justos.

Mas parece que os corolários da lei do cão não lhes aprazem da mesma forma.

Então uma outra lei, uma outra responsabilidade para o Estado, a de prender menores e matar pessoas, certamente irá resolver o problema... não.

O que será que torna a vida nos EUA mais segura?

Seria condenar crianças à pena de morte e prender combatentes de 14 anos em Guantánamo ou seriam estas outras características:

- dar álcool a menor é um crime.

- a grande maioria das escolas públicas dos EUA possuem ônibus escolares gratuitos. Não parar o carro quando um ônibus escolar estiver nas proximidades deixando ou buscando crianças pode dar cadeia.

- Dirigir bêbado dá prisão em flagrante. O motorista é obrigado, na maioria dos estados, a fazer o teste do bafômetro ou admite que está embriagado.

- 85% dos americanos adultos fizeram o ensino médio. O percentual na geração que está hoje na escola é ainda maior.

Que tal estabelecer estas regras acima? É dureza respeitar o limite de velocidade por vezes irreal, e é uma afronta à individualidade fazer o teste do bafômetro?

Transporte escolar gratuito parece muito?

Isso é assistencialismo barato do Estado que não vai resolver nada?

As leis americanas quanto a álcool e trânsito são draconianas e paranóicas?

Isso é "passar a mão na cabeça de bandido?"

Então preste atenção nesta estatística:


Mais que qualquer doença ou acidente. O segundo lugar também não é uma causa natural, é o assassinato. Uma super-FEBEM parece mais uma receita para matar mais crianças ainda e satisfazer a velha coceira da antiga mão do chicote do pelourinho.

terça-feira, 15 de maio de 2007

Um presidente do povo, respostas.

Uma série de perguntas sobre o "presidente do povo" andou circulando pela internet ultimamente. Aqui estão as minhas respostas.

1.Por que o presidente do povo usa terno Armani?

Ele não usa terno Armani, não ao menos como presidente (é uma outra marca, muito cara, por sinal). Se ele usa terno Armani quando está em São Bernardo do Campo não é problema meu.

2. Por que o presidente do povo pode ter ensino fundamental incompleto e um gari necessita de ensino fundamental completo?

Porque um princípio básico da democracia é que todo cidadão possua os mesmos direitos políticos, mas isto não parece ser um princípio básico das empresas de limpeza urbana.

3. Por que o presidente do povo acumula aposentadoria por invalidez, aposentadoria de dep. federal, pensão vitalícia de "perseguido político", salário de presidente de honra do PT e salário de presidente da república?

Porque a lei permite, tal como permitiu ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso acumular aposentadorias. Além disso o salários de perseguido político deve ser uma porcaria, talvez por isso o Lula tenha decidido concorrer à presidência.

4. Por que o presidente do povo é perseguido político, sendo que passou apenas UMA noite no DOPS?

Ele passou um mês preso e perdeu seu emprego por razões puramente políticas. Mas pode ser que ele tenha entrado naquela cabine do programa do Sílvio Santos, no que este perguntou "você quer trocar o seu emprego por um mês na cadeia, o agravamento da saúde e a morte de sua mãe e uma aposentadoria vitalícia" e ele tenha dito "siiim!" (por interferência da atual primeira-dama, Romeu Tuma deixou Lula acompanhar o velório e o enterro da mãe).

5. Por que o presidente do povo comprou um avião da concorrente da Embraer?

Porque a Embraer não faz aviões do tamanho do "Aerolula", mas dizem que aquela propaganda da Embraer com o Zagallo também influiu.

6. Por que o presidente do povo se aposentou por invalidez apenas por ter um dedo a menos e hoje trabalha como presidente do Brasil?

Ele recebe aposentadoria apenas com base na Lei da Anistia de 1979, mas possivelmente não se acostumou com o torno mecânico próprio para pessoas com nove dedos que fizeram para ele.

7. Por que o presidente do povo protege seus amigos comprovadamente corruptos e nunca aconteceu nada com ele?

a) talvez porque os seus amigos não comprovadamente corruptos o protejam.

b) talvez porque ele não proteja os seus amigos corruptos mesmo.

c) talvez porque ele entrou de novo na cabine do Silvio Santos que, desta vez, perguntou "você quer trocar todos os seus amigos corruptos pelos personagens da Santa Ceia, menos o Judas?" e ele tenha bobeado e dito "nãão!".

8. Por que o presidente do povo se vangloria de não ter estudo e ser filho de mãe analfabeta e acha normal ter filhos estudando fora do Brasil?

Porque ele se orgulha de ter chegado onde chegou sob tantas adversidades, isto é lógica básica. Também porque ele sabe que os filhos dele não são assim tão da peste como ele, já que a vida no ABC não prepara um ser humano para os rigores do mundo como a vida de retirante nordestino.

9. Por que o presidente do povo quando do seu mandato de Dep. Federal, não participou da vida parlamentar do Congresso?

Porque ele era da minoria da minoria do congresso, então seria surpreendente que tivesse diversas leis aprovadas. Também porque aquilo lá não era vida (essa eu colei).

10. Por que o partido do presidente do povo tem ligação com a FARC e ninguém comenta isto?

As FARC, todo mundo comenta isto, mas acho que o presidente entrar no horário político com esse papo não iria dar muito voto. "Você quer trocar o perdão de uma dívida milionária da mídia por uma ilação sobre uma remota ligação com as Farc elevada à vigésima potência?".... "siim!".

11. Por que a mulher do presidente do povo não faz absolutamente nada ?

Ela não foi eleita para coisa nenhuma, e não tem obrigação de trabalhar no emprego do marido. Além disso, a mulher do presidente já faz muito de agüentar a peça.

12. Por que o presidente do povo não sofreu "impeachment" como o Collor sofreu?

a) talvez porque ele seja um presidente do povo, e não um presidente da Globo ou do PC Farias.

b) talvez porque ele tenha sido mais hábil em domar a máquina política que queria estraçalhar a sua estrutura de poder para fazer as mesmas coisas.

c) talvez porque, desta vez, quando entrou na cabine do Silvio Santo e este perguntou "quer trocar a presidência da república por um penico e um coador de café" ele tenha dito "nããão"

13. Por que a candidata Heloísa Helena foi expulsa do PT e o José Dirceu (dep.cassado) e Antonio Palocci (indiciado por quebra ilegal de sigilo bancário e outros crimes) não o foram?

Heloísa Helena entrou em confronto direto com o PT, firmou o pé, foi expulsa e fundou outro partido. Dirceu e Palocci são réus, e não condenados. E mais, achar ex-militante comunista hoje é fogo, pra que se livrar dos que já se tem. Não, a Heloísa Helena não é ex-militante, muito pelo contrário.

14. Por que o presidente do povo nunca soube das coisas do partido e do governo dele, MAS SABE DE TUDO SOBRE OS GOVERNOS ANTERIORES ???

a) Porque antes ele tinha tempo de ler o jornal.

b) Porque hoje não é mais conveniente crer no que está no jornal.

c) Porque ele acha que um presidente não pode agir baseando-se em especulações (o que implica que um político oposicionista podia, para ele).

15. Finalmente, a pergunta mais difícil de todas: Por que tantos intelectuais, cientistas, professores universitários, reitores e outros membros da nata do país, continuam apoiando o presidente do povo?

Tá, a reposta para a pergunta mais difícil de todas é 42. Mas eis a resposta para a pergunta acima:

Porque as pessoas são assim mesmo: estranho seria um consenso todo voltado contra o presidente ou em seu favor. O que é importante para a democracia é que este é um presidente do povo. Bom, tem também aquela história de que, se você se acha mais esperto que o presidente da República, você pode se ver no direito de se achar esperto pra caramba.

terça-feira, 3 de abril de 2007

Atropelado pela realidade .... ou "CTC: uma novela. Capítulo I, parte 1"

Estava escrevendo uma mini-novela para publicar no blog, mas faltou-me tempo. Publico isto aqui, incompleto e mal-ajambrado como está, como testemunho do clima de aproveitamento barato da tragédia da Gol que parecia tomar a imprensa e este ou aquele blog.

Este acidente tornou a continuidade do projeto tristemente desnecessária.

CTC é o acrônimo para o Comando do Terceiro Colhão das forças armadas do Brasil. Esta é uma organização militar e civil de "indivíduos que respeitam a liberdade individual, a livre iniciativa e o livre mercado, bem como a boa ordem, as pessoas de bem, a decência, Deus, a família e a propriedade", que não possui vínculo algum com o Estado Maior das Forças Armadas. Diz-se até que nada que se assemelhe com Estado lhes apeteça tanto, dada a profundidade de seu compromisso com o ideário liberal e libertário.

O capítulo I não trata da primeira atuação do grupo ou de sua formação - esta perde-se nos confins da história - mas da primeira aventura do CTC que se tem notícia na história recente, aventura esta fundamental na formação do caráter atual do grupo.

O leitor há de notar que a ação de "CTC..." se passa ligeiramente adiante na história, a se confiar na data de postagens deste blog, no qual pretendo relatar as diversas aventuras do grupo enquanto se desenrolam.

Sem mais delongas, vamos ao capítulo. Os nomes foram alterados para a proteção de eventuais inocentes.

uma novela

Capítulo I
Tempestade de alumínio

Já eram 10 horas da noite e a fila de embarque parecia imóvel. Daquele grupo de 5 pessoas, os dois mais velhos entreolhavam-se apreensivos, incertos sobre o sucesso da missão a eles confiada, incertos se os outros 3, ao saberem do teor das ordens dadas, iriam dar cabo daquele "fardo acerbo", que assim lhes foi descrito pelo comandante Neves de Alencastro. Fardo, com efeito, acerbo, o próprio Neves de Alencastro repetiu. Acerbo, de fato, tamanho fardo, em uma variação elegante continuou Neves de Alencastro, antes mesmo que os dois tivessem a chance de concordar.

Sem mais palavra, Neves de Alencastro emendou, que vocês saiam e encontrem-se com os outros três "operativos" que tomarão parte desta missão.

- Fardo acerbo. Disse Ronaldo à saída da sala.

- Sim, deveras. Confirmou Duda, enquanto trocavam olhares firmes, os rostos voltados para o chão, encarando-se apenas com os olhos.

Os outros três operativos aguardavam, sem saber, a saída de Ronaldo e Duda da sala do comandante. Haviam sido apenas informados que agentes, o nome dado aos operativos "sênior", lhes iriam auxiliar em sua primeira aventura pelo CTC.

- Muito boa tarde, meninos. Eu sou o agente Duda Armingal e este é o agente Ronaldo Kannemann. Vocês nos irão acompanhar em nossa próxima missão.

- Beleza, caralho, já tava na hora, porra! Pra onde é que a gente vai!? Exaltado perguntou Marquinhos Eleno, um dos "meninos".

- Se o Sr. deseja que seus préstimos sejam um dia apreciados pelo alto comando do CTC, sugiro-lhe que reveja seu vocabulário. Consta no código de conduta do Comando que a comunicação há de dar-se pelo português mais castiço que estiver à mão. Termos de baixo calão reservam-se apenas ao acrônimo de nossa organização e a comunicações em código.

- Minhas mais sinceras desculpas. Por favor compreenda que foi coisa do momento e da qual muito me arrependo. Estarei futuramente prestando mais atenção.

- Operativo, qual o seu nome?

- Hein?

- Operativo: nome, número de inscrição e data de incorporação já!

- Meu nome é Marcos Eleno - deixa eu ver no papel aqui - meu número de inscrição é 108072360-3, e minha data de incorporação é 14 de abril de 2(...).

- Kannemann, por favor.

- Marcos, pode repetir, por favor? Ronaldo se dirigia a Marcos com alguma timidez.

- Marcos Eleno, número CTC 108072360-3, data de incorporação 14 de abril de 2(...).

Ronaldo Kannemann anotou os dados e o que parecia ser um relatório em seu PDA. Falava então com mais desenvoltura, sem olhar para Eleno, mudando de expressão facial e entonação como se discursasse para a tela reflexiva do computador de bolso, sobre a qual escrevia com uma caneta de plástico.

- Entenda que o código de conduta do CTC é a nossa tábua de salvação moral. Ele é propositadamente extenso e detalhista, pois nele estão descritos procedimentos que salvaguardam a garantia de nossos checks and balances no trato com membros, oponentes e civis, além de conter a plataforma pela qual

incompleto, agora sem razão de existir.

sexta-feira, 23 de março de 2007

A praga reincidente da informação retocada.

Ouve-se de um tempo em que as fotos do camarada Lênin eram continuamente retocadas, pois a cada passo em falso de um dos outros camaradas da foto, o governo soviético empreendia uma laboriosa operação de desaparecimento.

Desconheço se o retoque da foto era o primeiro ou o último passo do processo, ou se isto variava de acordo com a situação (vendo a União Soviética jogar futebol tem-se a impressão de que nada por lá variava). Sei, porém, que os registros iam se tornando mais solitários e mais parecidos com as propagandas do regime.

Eu me pergunto se estas idéias vinham diretamente de Tio Stálin ou se seus seguidores as implementavam de bom grado, adivinhando as querências do líder. Me pergunto, também, se Stálin sabia dos retoques, e ainda se alguém apagou o premiê ou um de seus apoiadores alguma vez, fosse na foto ou na metáfora bem conhecida.

Tenho certeza, no entanto, de que Stálin sentia-se confortável com o procedimento.

O papa Bento XVI disse que o segundo casamento era uma 'plaga' em latim, 'piaga' em italiano, 'plaie' em francês, 'Plage'em alemão, 'scourge' em inglês (claro que eu colei do site do Vaticano). No português do Brasil, ele disse uma superposição de 'praga' com 'chaga', a gosto do freguês.

Quando pareceu que o papa havia igualado o segundo casamento a uma nuvem de gafanhotos a assolar a Terra, retoques na retórica não tardaram a surgir. A questão dispendeu horas de redação e gigabytes de transações pela internet.

Chaga inspira pena e praga, recriminação. As duas palavras têm a mesma origem, contudo, parafraseando outro blog, pela figura de linguagem "metáfora ou metonímia".

Com o retoque, a condenação do papa não deixou de ser dura, mas a praga, a recriminação a todos os nubentes de segunda época, tentou-se tirá-la da foto. Cá entre nós, creio que ela continue lá, inteirinha, em todas as suas chagas alastrantes independentemente do termo.

Paulo Maluf dizia 'eu não assinei', 'eu não estava lá', 'não era eu'. Lula dizia 'eu não sabia', 'eu fui traído'.

Bento XVI nada disse, nem mesmo retirou palavras ou desculpou-se como no caso do texto que condenava muçulmanos (texto este em que o principal, a defesa do papel da racionalidade no cristianismo, passou em branco).

Mas Bento XVI sabia?

Ele se sente confortável? Certamente, ainda que ignore a celeuma por completo.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

sábado, 10 de fevereiro de 2007

O Mano White... contrariando as estatísticas (desfeita e piparote II)

...Reinaldo Azedo não sabe nada de rap, compreensível.

Não sabe nada, também, de cultura, de ciências humanas em geral, também compreensível.

Post azedo este aqui. Resposta a isto aqui

Eu sou apenas um rapaz latino-americano
apoiado por mais de cinüenta mil manos
efeito colateral do que o seu sistema fez
Racionais, capítulo 4, versículo 3.

A torrente de opiniões desabridas demonstram uma ignorância profunda não apenas de rap, mas dos filósofos cujos nomes jogou no texto e até do poema de Drummond usado na citação, o que torna, aliás, evidente por que sua crítica é tão calcada em preconceito.

É prática comum dos blogs de self-made-sabichões desqualificar quem lhes vêm à mente um parágrafo de cada vez. É claro que isto faz parte do intento de quebrar espuriamente a unidade do texto que se analisa e é um artefato útil quando se não tem intenção alguma de analisar o que se está analisando, mas apenas escrever frases de efeito, jogar para a platéia. Também é um expediente útil àqueles que não desejam ou são incapazes de dar unidade a seu texto, pra começar.

O resultado deste ataque ao caráter parágrafo a parágrafo é, por sua vez, melhor analisado da mesma forma, sim, parágrafo a parágrafo também. Esta espécie de sucedâneo de refutação termina por resultar em um texto este sim quebrado e sem unidade, e é com este parágrafo que deveria começar qualquer refutação de uma análise parágrafo a parágrafo, adicionando-se a ressalva que a refutação, ainda que seja também ela uma análise desta natureza, empenhará os melhores esforços para extrair continuidade de uma origem e uma técnica destarte defeituosas.

Parágrafo a parágrafo, aqui vai:

A história da música X a história.

Bem, trata-se de do recurso a uma falácia lógica freqüentemente usado pelo autor, abaixo tratada com mais atenção, e de um certo preconceito na interpretação do texto que vou exemplificar fazendo a mesma coisa. Lá pelas tantas, o autor diz "36 anos. Taí uma coisa que nunca tinha imaginado, um rapper coroa". O autor demonstra conhecimento da expectativa de vida dos habitantes da periferia e com ela faz uma brincadeira de péssimo gosto, demonstrando como nutre desejos assassinos com relação a eles e se ri do destino daqueles nas mãos do PCC que tanto o incomoda em outras partes da cidade.

"Salve" do PCC versus o "Salve" do Mano Brown.
Novamente, um preconceito aflorado em uma identificação tão espúria quanto a de Barack Obama e terroristas muçulmanos. Certamente é o mesmo salve, vindo de pessoas que moram na mesma região, vítimas e perpetradores, proximidade versus semelhança, ou um propositado recurso a outra espécie de raciocínio falacioso ou uma demonstração de como o autor é incapaz de diferenciar indivíduos afora seu pronunciado preconceito, e claramente deseja todos mortos ou encarcedados.

"Logo, você conclui que Mano Brown, na escala dos ungidos ou dos profetas, é superior a Cristo."

Aqui a falácia lógica em toda a sua extensão. "Crer no poder redentor do sangue de Cristo" é uma atividade de natureza e implicações muito diversas às de assistir a um DVD. Para resolver a falácia, pode concluir-se deste comentário que o autor está a impelir um julgamento de natureza religiosa contra o rap, uma postura comum, no entanto superada e tida como altamente preconceituosa.

"o coitadinho tentou mudar de vida" etc...
Sim, na base da inferência irresponsável dá para apostar em qualquer coisa, inclusive que o autor está apenas traficando uma posição ideológica e uma propaganda política em uma análise sem pés nem cabeça, como em seu artigo da Bravo sobre Mário Faustino (falecido nos anos 60), datado de 2002, em que consegue citar o PT. É verdade que há público para este tipo de pantomima.

"Pensador do mundo musical"

O autor obviamente jogou nomes de filósofos aqui, fez umas embaixadinhas para a platéia. Um dos três talvez concordasse com o seu texto. Kant, certamente, não, e todos corariam ao ver a falácia lógica básica do parágrafo anterior. Schopenhauer a igualaria, em categoria, não em competência ou extensão, à de Hegel.

Ah, sim, Drummond...

... eis o poema:


Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé,
comprida história que não acaba mais.

No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu
a ninar nos longes da senzala – e nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.

Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!

Lá longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda.

E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.

Particularmente as duas últimas estrofes, e cá estão elas novamente

E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.

Desaprovam a aversão do autor pelo vocabulário, histórias, talvez pela própria existência dos habitantes da periferia de São Paulo.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Recente intercâmbio com um leitor

Eu detesto ter a última palavra, então espero que este leitor ou outros voltem a comentar aqui.
Os comentários são a respeito de um post chamado "Hayek como papel higiênico, I"
Reginaldo Almeida said...

Caro Jaboticabo,

Por que essa generalização? Por que afirmar que os conservadores que apoiaram o Golpe de 64 são os liberais de hoje?

Cheguei ao seu blog a partir das suas intervenções no Blog do Rodrigo Constantino, algumas boas, outras um tanto extremistas.

Eu diria que quase a totalidade das pessoas que escreveram comentários no post que falava da maioridade aos 16 anos nem era nascida em 1964, como afirmar que esses são os caudatários daquilo?

Ser liberal não é dar as costas aos pobres e sim afirmar (palavras minhas) que um governo como o nosso não só não serve aos pobres, como é o principal responsável pela concentração de renda, além de só servir a umas certas aristocracias políticas (à direita e à esquerda), que vivem do rent-seeking.

Hoje cobra-se impostos de França e temos serviços de Somália. Hoje fala-se em neo-liberalismo, mas países como a França ou a Suécia são mais liberais que o Brasil.

A única ajuda que o governo dá aos pobres é o Bolsa-Família (de eficácia duvidosa). Todo o resto ele não dá a ninguém, exceto à própria máquina.

Não temos educação, mas nós (falo da infeliz classe média)pagamos por ela (duas vezes), não temos saúde, mas também pagamos por ela, não temos segurança, mas também pagamos por ela (às vezes com a própria vida).

Todos os governos no Brasil (digo novamente, tanto à direita como à esquerda) sempre gastaram muito mal os impostos arrecadados. Sempre se encastelaram com os seus apaniguados e foram eles que comeram o nosso dinheiro. Hoje gasta-se mais com publicidade que com segurança ou saneamento ou habitação, isso está correto? Hoje o Governo Federal é o maior anunciante de mídia do Brasil, e se não me engano, em segundo e terceiro estão a Petrobras e o Banco do Brasil, e só em quarto estão empresas como a AMBEV, Coca-Cola, Unilever ou Procter & Gamble. Que produto é esse que o governo vende? Eu sei que eu pago, mas nunca vi o produto.

Segundo a BBC Brasil, nos EUA, uma país mais rico e de maior população que o Brasil, o governo federal dispõe apenas de 5 mil cargos de livre nomeação, enquanto que aqui 30 mil.

Se o governo se retirasse de atividades como a bancária ou a petrolífera e com esse dinheiro investisse em habitação, saneamento, saúde e educação, tenho certeza que estaríamos melhores.

Tenho certeza também que se abolisse o IPVA, o IPI e a CIDE e privatizassem as estradas federais e estaduais, teríamos um aumento percentual da economia pelo aumento na venda de carros e mais dinheiro na mão do consumidor (calculei que o brasileiro gasta em média 3 mil reais com IPVA, CIDE e reparos dos autos) e nunca se gastaria isso em pedágios, com a frequencia com que se viaja hoje.

Liberalismo é isso. É indignar-se por pagar impostos e não ver resultando (nem para o próximo, nem para mim). É indignar-se por ter posses e ser chamado de porco burguês, mesmo que as posses tenham sido conseguidas de forma legal, honesta e legítima. É indignar-se ao ver um monte de vagabundos, que na chegada de um novo governo, agarram-se às suas nomeações como um carrapato a um cachorro. É ver um José Dirceu que nunca faz nada nessa vida exceto vagabundagem político-estudantil viajando de jatinho, se auto-intitulando consultor de empresas, e dizendo que é do povo, que trabalha para o povo, ou ver um Luiz Gushiken (um reles bancário semi-analfabeto) tomando vinho de R$ 2500 a garrafa e fumanfo charutos cubanos. Essas cigarras sociais nunca souberam o que é ser formiga, por isso comem sardinha e arrotam caviar!

Isso é ser liberal!

Reginaldo Almeida

Jabuticabo said...

I doubt that good economic writing can be devoid of humor. This is not because it is the task of the economist to entertain or amuse. Nothing could be more abhorrent to the Calvinist gloom which characterizes all scientific attitudes. But humor is an index of a man’s ability to detach himself from his subject and such detachment is of considerable scientific utility. In considering economic behavior, humor is especially important for, needless to say, much of that behavior is infinitely ridiculous
John Kenneth Galbraith

Caro Reginaldo,

Este blog aqui e os comentários que fiz lá e em outros blogs têm a intenção de colocar uns pontos de interrogação em alguns mantras repetidos à exaustão e creditados ao advento da nova e grande teoria libertadora do liberalismo econômico, atrelada à globalização.

E já pensou como um mantra com um ponto de interrogação pode ser uma ferramenta filosófica muito mais eficaz?

Em vez de repetir-se infindamente, como que em um transe

"todo monopólio é injusto, o monopólio estatal é mais injusto ainda"

se instilasse uma dúvida aristotélica pela repetição de

"todo monopólio é injusto? O monopólio estatal é mais injusto ainda?"

ao menos geraríamos respostas mais satisfatórias à pergunta que hoje nem é feita.

A intenção deste blog é, também, fazer isto com alguma graça.

E tudo isto para explicar o porquê de ser "extremista".

'What do you think of Western Civilization?'
(Mahatma Gandhi)
'I think it would be a good idea!'

Em uma sociedade que se crê caudatária de Grécia e Roma, é natural que se encontrem aqui e ali saudosos de um golpe que ocorreu há menos de meio século atrás, como também é natural que se encontrem comunistas, peronistas e vascaínos andando pelas nossas ruas.

E existe um teste básico para verificar esta simpatia pela democracia "por partes" (basicamente, só a parte que interessa ao tal simpatizante): em 1964, o Brasil deveria passar pela presidência de João Goulart e derrotá-lo na próxima eleição, se fosse o caso? O golpe e os 21 anos de ditadura não foram muito piores? As respostas estão na imprensa e em livros publicados nos últimos poucos anos e, na opinião deste jabuticaba aqui, não são alentadoras.

Por trás de toda esta recém-descoberta paixão humanista pela individualidade e pela economia neoclássica parece haver toda uma agenda que nada tem de liberal, e eu sempre deveria escrever isto em um parágrafo só para ela:

o bom e velho conservadorismo brasileiro.

Pena de morte, prisão de menores, restrições de direitos diversos entre outras traficâncias da velha intolerância dos tempos de D. João Charuto, e outras novas adequadas às necessidades recentes da gente-bem: menos impostos para os negócios (vai ser curioso acompanhar a reforma tributária, se ela acontecer: como a maior parte dos impostos no Brasil é carregada por quem consome itens básicos, eu me pergunto se um corte de receita de impostos do governo no lado do povo "bolsa-família" satisfaria os negócios apenas por suas conseqüências macroeconômicas ou os deixaria com o muxoxo dos descontentes que não conseguem comprar um Nintendo Wii), instabilidade trabalhista, maior violência policial e prisão para todo mundo.

E este é apenas um dos lados da minha crítica, sempre a ser feita com o melhor bom-humor que eu conseguir ter.

Não nos enganemos a respeito da finesse e da classe dos nossos políticos. Vemos sendo governados por uma certa elite política a aspirar o ar de salões parisienses, para depois entrar em um carro com ar-condicionado no meio do cerrado desde 1960. Antes disso, só mudava que, ao menos, os governantes estavam no Rio.

Libertariamente falando, é salutar que um semi-analfabeto seja capaz de bebericar vinhos finíssimos. Também o é que alguém incapaz de verter um substantivo básico ao plural seja vice-presidente, ou ainda que alguém com imensa dificuldade em escrever duas frases conectadas possa ser presidente: estou falando dos EUA, de Dan Quayle e George W. Bush.

Os que tomavam vinhos caros e charutos cubanos nos nossos palácios antes não me inspiram simpatia maior por terem ido ao MIT e não ao Senai. Já dizia a propaganda de Sprite que imagem não é nada, sede é tudo. Nos EUA, o pré-candidato à Presidência do momento se chama Hussein Obama, e isto é um exemplo de liberdade, da liberdade primeva, daquilo que carregamos entre as nossas orelhas.

Polinização inconseqüente.

Salve Abelha Rainha do neocivilizado Brasil, quem decretou nossa estupenda e repentina civilidade e tradição libertária arraigada em nossos maiores livres-pensantes por séculos... mais um daqueles que conseguem esconjurar o passado, maldizer o futuro mas justificar o presente em todos os seus detalhes... Estou falando do Reinaldo Azevedo... Vale a pena lutar por isso? Não vale a pena lutar pelo Reinaldo Azevedo? Sua pergunta em seu blog era "vale a pena lutar por isso?"

Vale a pena lutar por isso? O que ele tentou expressar talvez fosse "vale a pena lutar contra o aquecimento global?"

Que o digam todos os que ignoraram o alerta dado ainda nos anos 70 sobre o efeito dos halocarbonos na camada de ozônio.

A boa ciência apenas é boa quando temos Marshall justificado por Jevons justificado pelas equações diferenciais estocásticas e os modelos de otimização da boa economia neoclássica?

A "verdade" científica é apenas a que nos interessa? Isto sim é totalitarismo.

Vale a pena lutar contra o totalitarismo? Não, se você está do lado certo do cassetete, ao que parece.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007


com este, vão se
13 posts neste blog em 13 meses...
... 13% de juros ao ano de alegria pós-fixada e devidamente indexada...
... 13 dias de busca na cratera em São Paulo terminados...
... hoje é dia 26, "duas veis treze" tem treze letras...
a culpa é do PT, então?

Similaridade e conseqüência se confundem propositadamente em autores astutos, e não excluamos os grandes filósofos e cientistas. Na justaposição você enxerga o julgamento destes autores e, por vezes, o de sua própria alma.

A Folha, sobre Lula em Davos:

Vim em 2003 [logo após a posse] mostrar como era possível criar uma política consistente para reduzir a miséria no Brasil", gabou-se.

terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Uma cratera

Uma cratera é uma cratera. Uma cratera não é amoral. Uma cratera não vota, não tem partido político. Uma cratera não tem gosto, cor, ou peso. Uma cratera não tem nem profundidade. Uma cratera é, apenas, convexa.

Nesta hora de aperto, nada vale o que eu ou o ninguém mais pensamos, achamos deixamos de achar gostaríamos de querer achar sobre qualquer coisa. Nesta hora uma jabuticaba nesta hora é só uma fruta redonda que vive a cair do pé e suja a roupa. Nesta hora o que sobra é só uma cratera.

terça-feira, 9 de janeiro de 2007

Hayek como papel higiênico, I.

Existe uma diferença entre ser e dizer-se ser. Os articuladores do nosso passado são os mesmos que desejam desarticulá-lo no futuro, e por isso os considero aproveitadores de hoje e de ontem. O liberalismo é apenas a célula-tronco da vez na construção do grande novo sentimento conservador brasileiro.

É necessário dirigir uma pergunta aos seguintes grupos, hoje tão liberais, verdedairos libertários no século XXI:

a) perpetradores e simpatizantes do golpe de 1964 (ao contrário de Stalin, estão bem e vivos) ,

b) criadores do modelo do milagre brasileiro, do ora tão amaldiçoado Estado investidor,

c) apoiadores da censura, da tradição, família e propriedade e bons costumes de gente de bem. Promotores silenciosos obsequiosos ou beligerantes de balcão de botequim dos assassinatos políticos em nome do Estado.

d) outros que tenham propalado a moda do momento antes e depois: antes, golpe "governar é construir estradas" tortura empréstimos internacionais, hoje, democracria civilizada pois tudo que é inglês é bom e sábio e como é que puderam votar nesse cara? Banco Central do Brasil empréstimos internacionais.

A pergunta é "quando isto também der errado, vocês vão apoiar o quê?"

É muito bonito citar Hayek, "why the worst get on top", amaldiçoando altitonante do olimpo da moral absoluta todo esforço contaminado pela "síndrome da vontade política" como um congraçamento com Stálin, Mao e todos os outros artífices do pecado original, da semente do presumível engodo a que todos os que levantam a cabeça e perguntam "tem outro jeito?" estariam fadados ou então maliciosamente embarcaram, na inescapável busca individualista pela máxima utilidade, tal qual um escorpião sobre um elefante atravessando o rio. E isto se for para considerar que a avaliação de Hayek é desprovida de contradições

Mas vejam que usualmente no Brasil nem se chega mesmo a citar Hayek, Adam Smith ou, sei lá, James Naismith com a sinceridade de um campo de abóboras. A coisa pára bem antes disso, antes de que se possa apontar uma falácia na fundamentação do típico raciocínio pseudoliberal do início do século no Brasil. Os próprios Hayek e von Mises corariam ao ver como as coisas funcionam por aqui. Ficariam mais encabulados do que se fossem escalados como extras do filme "Um drinque no inferno" e assistissem à apresentação de Selma Hayek lá pela metade do filme. Reproduzindo o que poderiam dizer os próprios, os liberais daqui não gorgeiam como os de lá.

Mais do que uma desculpa, ser liberal é então uma boa razão para continuar igualzinho? Uma desculpa confortável para achar que as coisas como estão estão boas, a não ser quando a gente não gosta de como elas são?

sexta-feira, 17 de março de 2006

Checks and balances

Ah... o perfeito funcionamento da sociedade liberal as instituições que a garantem!

"(...) todos os seus arquivos gravados no disco virtual, no blog, ou no álbum de fotos da AOL serão apagados.
A sua data de faturamento na AOL será mantida (...)"

Ver http://www.aol.com.br/ até 17/03/2006.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

Carta aberta a Fernando Gabeira, morador de Ipanema

Ipanema, Mangueira, Cantagalo, Meriti.

Gabeira a tua cara, tuas melenas prateadas pertencem a Ipanema, mas o que te impede de olhar para o morro admirado?

Gabeira, se Ipanema é tua cara e tu é bonito, teu morro ali do lado é bonito também, e a cara mais sofredora que eu já vi foi a do Jorge Bornhausen, olhos escurecidos, mal-humorado. No que me consta, o cara é bom de grana.

Assim, sempre a cara em Ipanema e sempre os fundilhos em Queimados tão perfeitamente se moldariam ao teu artigo-post, se a pobreza da metáfora dos fundilhos queimados não constituísse derrogatória derisão.

Todo mundo olha o morro e vê o que, o que? Fundilhos, o puíto do mundo.

Criaram até um nome bonito, favelização (aí pode perguntar onde está a condominização como contraponto?). Querem acabar com a Mangueira e levar todo mundo pra Queimados, porque pobre no centro só presta preso ou limpando privada.

Estamos a ser presos ao radicalismos. Não, a concordância é esta mesma. O problema é a palavra radicalismos. Serve como fulanização (ih...) generalizada de tudo aquilo que antes era contra o general e agora só não é de bom gosto nos salões dos banqueiros e nas ante-salas vips dos showzinhos pop patrocinados por empresas de, o que mais, crédito.

Logo logo teremos o favelizações e a sua reação, próximo passo de periferização (argh) da vida urbana e condominização (eca!) da vida ... hm ... da vida gente bem.

E tu não acredita? Se não acredita, taí uma regra pétrea, um aforismo muito eficiente: na imprensa, substantivo abstrato no plural é mentira.

Se eu perdi a cabeça até agora, foi para dizer só isto: o seu artigo implica que a cara da zona sul é bonita (Lindbergh, o Sr.) e a da periferia é feia (Lula), e
Ipanema recebe a todas, mas só as de lá são bonitas. Isto pode até caber em uma letra do Menescal, mas eu esperava mais do Sr.

(Artigo original de Gabeira: http://www.gabeira.com.br/blog/blog.asp?id=1707 )

quinta-feira, 26 de janeiro de 2006

ACM 2006

A legenda da foto abaixo foi retirada da manifestação mais recente de Antonio Carlos Magalhães no Senado Federal.
A foto confere um efeito e tanto à declaração, tanto que sugiro que se transforme em outdoor da campanha do senador.
Istoé Gente, 26/08/2002
"Venha conversar comigo aqui sua puta"

segunda-feira, 23 de janeiro de 2006

Finge que funciona


Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:
— Diga trinta e três.
— Trinta e três . . . trinta e três . . . trinta e três . . .
— Respire.

— O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
— Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
— Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.

Manuel Bandeira"

São Paulo, 20/01/2006,

"Finge que funciona... "

Em um stop staccato, estupefatos entreolham-se , estranham-se. Um estrago, um estigma . Esfigmanômetros fracassados esfriaram o ânimo e esfregaram a feroz fealdade às fuças freadas em afrita fruição...

"Finge que funciona..."

Doze por oito, esfigmanômetro é o nome técnico do aparelhinho de medir pressão.

Nenhum deles, nenhum funcionou com o antigo ministro da saúde porque eram novos.

Novinhos em folha, lacrados, e assim tão estranhos como a palavra esfigmanômetro.

"Finge que funciona... "

Aparelhinos de medir pressão, vários deles, todos novos, sem funcionar porque eram novos.

Mas como funcionaram bem, eram novos e falharam em produzir vasos pulsantes no prefeito.

Pulsação outra se apresentou, possivelmente acompahada pelo pulsar previsto se o aparelho se preenchesse por ar ao ser premido e se apertasse em torno do braço do prefeito. Não apenas do prefeito, mas de todos os presentes a pulsação se apoderou.

"Finge que funciona... doze por oito"

E o medidor de pressão funcionou.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2006

O Haiti é uma festa

...para alguém deve ser.

Blog do Josias de Souza, post de 16/01/2006, às 02h46

"O custo da missão Haiti
Levantamento feito pela Associação Contas Abertas a pedido do JB revela: a missão do Exército brasileiro no Haiti já custou ao erário R$ 266,8 milhões nos anos de 2004 e 2005. Não é pouca coisa. Bem ao contrário. A cifra é 5,8 vezes maior do que tudo o que o governo investiu em segurança pública no conflagrado Estado do Rio de Janeiro no mesmo período: R$ 46 milhões"

O post segue questionando a permanência do Brasil na missão da ONU no país. Fiz a seguitne pergunta no blog do jornalista, composta de três partes:

1 - Ele sugere que se diminua o orçamento do exército brasileiro para redirecionar recursos para a segurança pública?

2 - O post sugeriria, ainda, mais uma tentativa de ocupação militar dos morros cariocas? Isto foi tentado nos anos 90, depois de intenso clamor midiático, catalizado pela tentativa de seqüestro de Burle Marx. Neste episódio, a figura triste do paisagista abatido e atormentado apareceu no Jornal Nacional, pedindo pelo exértico. A experiência não sei se foi muito exitosa, pois não se repetiu em administrações locais e federais subseqüentes.

3 - A ONU cobre alguma parte dos custos envolvidos na missão brasileira no Haiti?

sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

Arnaldo Jabor, que Deus lhe conceda seus desejos


Arnaldo Jabor, no Estadão desabafou, mas calculadamente, enciclopédica, dicionárica e efusiva verborragia, que terminava assim:

"que a peste negra vos devore a alma, políticos canalhas, que vossos cabelos com brilhantina vos cubram de uma gosma repulsiva, que vossas gravatas bregas vos enforquem, que os arcanjos de 2006 vos exterminem para sempre!"

Mas que deveria terminar assim:

"Em nossas prisões já existem muitos outros corruptos desta extração. Se não os matarmos, cada um deles há de se tornar um assassino! Humanos é que jamais serão!"

"Não permitamos que corruptores infiéis continuem a assolar a terra, para o nosso sofrimento. Pois se o corrupto é morto, e isto evita que ele perpetre mais iniqüidades, sua morte será uma bênção"

As frases acima são atribuídas ao aiatolá Khomeini*.

O texto do cineasta é uma arma química, uma mistura que em sua defesa da política econômica que tenciona atacar chega a dar pena.

É uma intempestividade ensaiada e previsível de quem há pouco dizia que a tal a política real era feita no Brasil, com as mesmas gomalinas, brilhantinas, verminose e canastrice de hoje, mas milagrosamente boa, necessária, "pós-moderna".

Chequem o excerto abaixo, do mesmo Jabor, em forma de carta aberta ao então Presidente FHC (Folha de São Paulo 8/12/1998). A parte mais saborosa, o momento mágico de patética identificação com um o aclamado grande ideal político pseudoliberal dos anos 90, é a dos "sábios ingleses".

'Democracia é vivida no Brasil como "zona". Serve para condenar homens de bem sem provas e para inocentar ladrões com provas. Vosso ilustrado amor à democracia trai um disfarçado desejo de fracassar em nome dela, para um dia dizer, gloriosamente deprimido: "Tentei tudo dentro da democracia... Mas não deixaram!".

Vossa excelência já mostrou que a paciência é uma virtude revolucionária. Com todo o respeito, já sabemos que o saco de vossa excelência é de ouro e diamantes. Mas agora o senhor está sendo encurralado por seus próprios aliados, como um garoto de colégio que é "pele" da turma.

Só há uma saída: reagir.Reaja, presidente, não adianta sensatez apenas. Exemplo: no episódio das fitas e grampos, vossa excelência podia ter ido à TV denunciar o crime, não aceitar passivamente a demissão de alguns dos seus melhores quadros. Está na hora de perder a cabeça, presidente.

Seu mais hábil ato político foi o risco de, antes das eleições, declarar ao povo a seriedade da situação. O povo leu bem sua sinceridade. O analfabeto sabe ler.

O Congresso está exercitando os músculos no doce esporte de traí-lo. Se perderem o medo, o senhor está perdido. O senhor diz que vai punir os infiéis, cortando-lhes as "colheres de chá", os pequenos favores, o "pork barrel", como dizem os sábios ingleses.Mas eis o dilema: como construir outra base de apoio, negando o "porco" aos deputados e senadores? Não faça ameaças, cumpra-as primeiro.

Está chegando a hora do medo, presidente. Do Collor, eles tinham medo até de levar porrada. O Itamar nos ameaçava com sua ranhetice: "Se me provocarem, faço uma bobagem!...". Está na hora de o senhor provocar medo. Falando em termos sociológicos, um pouco mais de Hobbes e menos Locke.Depois da morte de Serjão, o ACM é seu único homem mau. O senhor conta muito com o ACM para defendê-lo, como o menino que depende do irmão mais velho nas brigas de rua.

Está na hora de partir para a porrada sozinho. Inclusive, porque um dia o ACM vai ter de largá-lo para cuidar de 2002. Seja menos pós-moderno. Seja mais modernista, mais visionário. Vossa excelência precisa de uma ideologia para poder viver.'

O texto de Jabor referenciado no começo do post está em:


* Ditador, antigo chefe religioso e de Estado do Irã, líder da chamada revolução islâmica no país, morto em 1989, e durante anos inimigo público número 1 dos EUA.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

Desfeita e piparote I

Desfeita: uma piada muito comum sobre duas vaquinhas, acrescentada de mais uns verbetes reacionários chauvinistas neotenentistas:

SOCIALISMO: Você tem duas vacas, o governo toma uma e dá a outra para o seu vizinho.
COMUNISMO: Você tem duas vacas, o governo toma as duas e te dá um pouco de leite.
FASCISMO: Você tem duas vacas, o governo toma as duas e vende o leite para você.
NAZISMO: Você tem duas vacas, o governo toma as duas e te mata.ANARQUISMO: Você tem duas vacas, mata as duas e faz um belo churrasco
CAPITALISMO: Você tem duas vacas, vende uma, compra um touro e o governo toma os bezerros como imposto de renda na fonte.
LULLOCRACIA: Você tem duas vacas, o governo toma as duas, mata uma e joga o leite da outra fora.
PTCRACIA: Você tem duas vacas, vende as duas para o governo, muda para a cidade e consegue um emprego público.(...)
CHAVISMO: Você tem duas vacas e não entende por que elas não gostam de petróleo e canastrice.
CASTRISMO: Você tem duas vacas, uma morre afogada e a outra, no paredón.
DIRCEUZISMO: Você tem duas vacas, uma vai pro brejo e a outra fica mugindo "Eu repilo, eu repilo!".
STEDILECRACIA: Você não tem mas rouba vacas e bois premiados e os mata para fazer churrasco e mostrar quão primitivo é seu ódio ao capital (isso, além de fato verdadeiro, é constante, mas a imprensa omite. Já aconteceu até na Embrapa).

REACIONARISMO TIPICO DE ASSINANTES DE VEJA QUE A USAM PARA OUTRA COISA QUE NAO PAPEL HIGIENICO DO PAPAGAIO: você tem duas vacas, uma é a avó do ***** ***inho, e outra a mãe do B*** ***ICa. Os bezerros passam a chamar a mãe de todo mundo de vaca, para demonstrar o seu ponto que todo mundo é igual ao seu gado. De repente, o avô do bezerro ****inho morre e o Bezerro ***Ica volta da Pensilvânia. O bezerro ***inho e seu amico ***Ica resolvem que são intelectuais radicais, embora católicos da Opus Deu, logo Adam Smith, outro radical incompreendido deveria entrar para o cânone do panteão da capelinha da Fazenda da Fazenda. Para isso, instauram um comitê revolucionário a cargo do porquinho snowball na Fazenda da Fazenda. Snowball é reverenciado como um gênio das finanças, pois a fazenda vive na mais absoluta bonança. Em sua sucessão, Snowball é alçado à condição de semideus, sendo escolhido um snowball-clone para salvar a possibilidade de um humano tornar-se o comandante supremo. Snowball 2 taca fogo nas plantações da fazenda, que entra em falência duas vezes. Boxer, o marido da egüinha pocotó morre de fome e então há um alerta. Snowball 3 não conseque ser o novo capataz, dizem que é porque era careca e mal-encarado. Novamente um humano é o administrador da fazenda. As vacas do seu curral urram de dor, por terem parido tamanhos cornos, pois os bezerrinhos agora estão defecando na porta da sede da fazenda e dizendo que foi o capataz que fez. Aliás, segundo eles, todo o estrume que já passou por aquela fazenda nem se compara com a b... fedida deste capataz escroto e maneta de uma figa. Estão gestando Snowball 4, mas ele insiste em não ser parido ou clonado. Uma hora destas vai... as vaquinhas ficam aliviadas, mas os bezerros choram suas mágoas e defecam continuamente... ah... essa bezerrada... sempre bezerrando, bezerrando, torcendo para que finalmente sejam liderados por um porco.

quarta-feira, 30 de novembro de 2005

Solução jabuticaba

O banquete está servido.

Cantam hoje no Brasil com júbilo a vitória, no ano 106 de nosso senhor Hayek, de um monturo de baboseiras que ganha a alcunha de liberal e, a bem da verdade, liberal do estilo inglês, como uma espécie de salvo-conduto guarda-chuva, uma justificativa asterisco para um tenebroso conjunto de retroarquiescravagistas e antediluvianos ideai... não, bostas, isto sim.

Uma desculpa para discriminação racial.

Uma desculpa para ignorância e desprezo por toda liberdade que não se encaixe em leis pretensamente naturais de rendimentos decrescentes e cada macaco no seu galho.

Um pretexto para instilar o espírito das leis nos espíritos jovens e cautelosos, não estas daí, mas um conjunto inaudito e ideal de leis que acabem de vez com essa tal de constituição mas todos acreditam no futuro da nação que país é este e e e e.

Um jeito de ser e confortar-se, à luz de velas, com os 398 volumes da história da ditadura e suspirar de emoção como se se lesse a lanterna na popa dos anos 90, já empolgado com a redescoberta do grande heroísmo da segunda guerra mundial, onde teríamos acabado com todo o mal com a ajuda de comunistas.

A desculpa para chamar todo mundo de comunista.... opa! peraí, oooooopa!!!! Arre égua!!!

O muro de Berlim caiu em 1989

A culpa não é minha. Quando Stalin morreu, eu não tinha nem nascido. Para todos efeitos, eu poderia até ser a reencarnação do Stalin.... diacho, a Luana Piovani também poderia ser a reencarnação do Stalin.

OK, vamos continuar.

Ah... e como é que eu iria me esquecer: temos um substitituto para a saúva: a pequena, bela, saborosa, singela jabuticaba.

"A jabuticaba é um inferno, vamos acabar com a jabuticaba!!!!"

Vamos nos espelhar nos fiordes noruegueses, na city londrina, na migração do salmão e no "ticket" presidencial iminente para criar uma solução para o país e nossos fluidos corpóreos que prescinda de jabuticabas.

É aqui, meu caros que eu entro: todo este sonho, esta nova utopia da liberdade individual apenas para exercer o direito de ser ranheta, é matematicamente inconsistente.

O universo conta com a existência de jabuticabas. Pode-se comer, pegar, cheirar, escorregar em uma jabuticaba. Árvores carregadas de jabuticabas tomam o nosso planeta e se reproduzem sem cessar, para o bem da existência de caipirinhas exóticas no melhor restaurante japonês do mundo, que fica aqui pertinho.

Assim, a teoria que prescindir da jabuticaba é incompleta e, além de tudo anacrônica.

Olhe para o mundo agora com outros olhos. Onde estiver a faltar jabuticabas, está em curso uma farsa, tramita o frêmito de uma pretensão ansiosa de açambarcar a materialidade e deixar os outros de lado: você, a jabuticaba e eu, traveste-se de elegia da liberdade a sinédoque de um eu para o mundo.

Salve a jabuticaba!

Nosso farol, nossa lanterna na proa na busca por uma verdade um pouquinho maior, visto que também a verdade suprema é uma inconsistência matemática.

Contem com as jabuticabas que o pé dá.