terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

Carta aberta a Fernando Gabeira, morador de Ipanema

Ipanema, Mangueira, Cantagalo, Meriti.

Gabeira a tua cara, tuas melenas prateadas pertencem a Ipanema, mas o que te impede de olhar para o morro admirado?

Gabeira, se Ipanema é tua cara e tu é bonito, teu morro ali do lado é bonito também, e a cara mais sofredora que eu já vi foi a do Jorge Bornhausen, olhos escurecidos, mal-humorado. No que me consta, o cara é bom de grana.

Assim, sempre a cara em Ipanema e sempre os fundilhos em Queimados tão perfeitamente se moldariam ao teu artigo-post, se a pobreza da metáfora dos fundilhos queimados não constituísse derrogatória derisão.

Todo mundo olha o morro e vê o que, o que? Fundilhos, o puíto do mundo.

Criaram até um nome bonito, favelização (aí pode perguntar onde está a condominização como contraponto?). Querem acabar com a Mangueira e levar todo mundo pra Queimados, porque pobre no centro só presta preso ou limpando privada.

Estamos a ser presos ao radicalismos. Não, a concordância é esta mesma. O problema é a palavra radicalismos. Serve como fulanização (ih...) generalizada de tudo aquilo que antes era contra o general e agora só não é de bom gosto nos salões dos banqueiros e nas ante-salas vips dos showzinhos pop patrocinados por empresas de, o que mais, crédito.

Logo logo teremos o favelizações e a sua reação, próximo passo de periferização (argh) da vida urbana e condominização (eca!) da vida ... hm ... da vida gente bem.

E tu não acredita? Se não acredita, taí uma regra pétrea, um aforismo muito eficiente: na imprensa, substantivo abstrato no plural é mentira.

Se eu perdi a cabeça até agora, foi para dizer só isto: o seu artigo implica que a cara da zona sul é bonita (Lindbergh, o Sr.) e a da periferia é feia (Lula), e
Ipanema recebe a todas, mas só as de lá são bonitas. Isto pode até caber em uma letra do Menescal, mas eu esperava mais do Sr.

(Artigo original de Gabeira: http://www.gabeira.com.br/blog/blog.asp?id=1707 )

Um comentário:

  1. "na imprensa, substantivo abstrato no plural é mentira."

    yup...

    ResponderExcluir