terça-feira, 9 de janeiro de 2007

Hayek como papel higiênico, I.

Existe uma diferença entre ser e dizer-se ser. Os articuladores do nosso passado são os mesmos que desejam desarticulá-lo no futuro, e por isso os considero aproveitadores de hoje e de ontem. O liberalismo é apenas a célula-tronco da vez na construção do grande novo sentimento conservador brasileiro.

É necessário dirigir uma pergunta aos seguintes grupos, hoje tão liberais, verdedairos libertários no século XXI:

a) perpetradores e simpatizantes do golpe de 1964 (ao contrário de Stalin, estão bem e vivos) ,

b) criadores do modelo do milagre brasileiro, do ora tão amaldiçoado Estado investidor,

c) apoiadores da censura, da tradição, família e propriedade e bons costumes de gente de bem. Promotores silenciosos obsequiosos ou beligerantes de balcão de botequim dos assassinatos políticos em nome do Estado.

d) outros que tenham propalado a moda do momento antes e depois: antes, golpe "governar é construir estradas" tortura empréstimos internacionais, hoje, democracria civilizada pois tudo que é inglês é bom e sábio e como é que puderam votar nesse cara? Banco Central do Brasil empréstimos internacionais.

A pergunta é "quando isto também der errado, vocês vão apoiar o quê?"

É muito bonito citar Hayek, "why the worst get on top", amaldiçoando altitonante do olimpo da moral absoluta todo esforço contaminado pela "síndrome da vontade política" como um congraçamento com Stálin, Mao e todos os outros artífices do pecado original, da semente do presumível engodo a que todos os que levantam a cabeça e perguntam "tem outro jeito?" estariam fadados ou então maliciosamente embarcaram, na inescapável busca individualista pela máxima utilidade, tal qual um escorpião sobre um elefante atravessando o rio. E isto se for para considerar que a avaliação de Hayek é desprovida de contradições

Mas vejam que usualmente no Brasil nem se chega mesmo a citar Hayek, Adam Smith ou, sei lá, James Naismith com a sinceridade de um campo de abóboras. A coisa pára bem antes disso, antes de que se possa apontar uma falácia na fundamentação do típico raciocínio pseudoliberal do início do século no Brasil. Os próprios Hayek e von Mises corariam ao ver como as coisas funcionam por aqui. Ficariam mais encabulados do que se fossem escalados como extras do filme "Um drinque no inferno" e assistissem à apresentação de Selma Hayek lá pela metade do filme. Reproduzindo o que poderiam dizer os próprios, os liberais daqui não gorgeiam como os de lá.

Mais do que uma desculpa, ser liberal é então uma boa razão para continuar igualzinho? Uma desculpa confortável para achar que as coisas como estão estão boas, a não ser quando a gente não gosta de como elas são?

7 comentários:

  1. Caro Jaboticabo,

    Por que essa generalização? Por que afirmar que os conservadores que apoiaram o Golpe de 64 são os liberais de hoje?

    Cheguei ao seu blog a partir das suas intervenções no Blog do Rodrigo Constantino, algumas boas, outras um tanto extremistas.

    Eu diria que quase a totalidade das pessoas que escreveram comentários no post que falava da maioridade aos 16 anos nem era nascida em 1964, como afirmar que esses são os caudatários daquilo?

    Ser liberal não é dar as costas aos pobres e sim afirmar (palavras minhas) que um governo como o nosso não só não serve aos pobres, como é o principal responsável pela concentração de renda, além de só servir a umas certas aristocracias políticas (à direita e à esquerda), que vivem do rent-seeking.

    Hoje cobra-se impostos de França e temos serviços de Somália. Hoje fala-se em neo-liberalismo, mas países como a França ou a Suécia são mais liberais que o Brasil.

    A única ajuda que o governo dá aos pobres é o Bolsa-Família (de eficácia duvidosa). Todo o resto ele não dá a ninguém, exceto à própria máquina.

    Não temos educação, mas nós (falo da infeliz classe média)pagamos por ela (duas vezes), não temos saúde, mas também pagamos por ela, não temos segurança, mas também pagamos por ela (às vezes com a própria vida).

    Todos os governos no Brasil (digo novamente, tanto à direita como à esquerda) sempre gastaram muito mal os impostos arrecadados. Sempre se encastelaram com os seus apaniguados e foram eles que comeram o nosso dinheiro. Hoje gasta-se mais com publicidade que com segurança ou saneamento ou habitação, isso está correto? Hoje o Governo Federal é o maior anunciante de mídia do Brasil, e se não me engano, em segundo e terceiro estão a Petrobras e o Banco do Brasil, e só em quarto estão empresas como a AMBEV, Coca-Cola, Unilever ou Procter & Gamble. Que produto é esse que o governo vende? Eu sei que eu pago, mas nunca vi o produto.

    Segundo a BBC Brasil, nos EUA, uma país mais rico e de maior população que o Brasil, o governo federal dispõe apenas de 5 mil cargos de livre nomeação, enquanto que aqui 30 mil.

    Se o governo se retirasse de atividades como a bancária ou a petrolífera e com esse dinheiro investisse em habitação, saneamento, saúde e educação, tenho certeza que estaríamos melhores.

    Tenho certeza também que se abolisse o IPVA, o IPI e a CIDE e privatizassem as estradas federais e estaduais, teríamos um aumento percentual da economia pelo aumento na venda de carros e mais dinheiro na mão do consumidor (calculei que o brasileiro gasta em média 3 mil reais com IPVA, CIDE e reparos dos autos) e nunca se gastaria isso em pedágios, com a frequencia com que se viaja hoje.

    Liberalismo é isso. É indignar-se por pagar impostos e não ver resultando (nem para o próximo, nem para mim). É indignar-se por ter posses e ser chamado de porco burguês, mesmo que as posses tenham sido conseguidas de forma legal, honesta e legítima. É indignar-se ao ver um monte de vagabundos, que na chegada de um novo governo, agarram-se às suas nomeações como um carrapato a um cachorro. É ver um José Dirceu que nunca faz nada nessa vida exceto vagabundagem político-estudantil viajando de jatinho, se auto-intitulando consultor de empresas, e dizendo que é do povo, que trabalha para o povo, ou ver um Luiz Gushiken (um reles bancário semi-analfabeto) tomando vinho de R$ 2500 a garrafa e fumanfo charutos cubanos. Essas cigarras sociais nunca souberam o que é ser formiga, por isso comem sardinha e arrotam caviar!

    Isso é ser liberal!

    Reginaldo Almeida

    ResponderExcluir
  2. I doubt that good economic writing can be devoid of humor. This is not because it is the task of the economist to entertain or amuse. Nothing could be more abhorrent to the Calvinist gloom which characterizes all scientific attitudes. But humor is an index of a man’s ability to detach himself from his subject and such detachment is of considerable scientific utility. In considering economic behavior, humor is especially important for, needless to say, much of that behavior is infinitely ridiculous
    John Kenneth Galbraith

    Caro Reginaldo,

    Este blog aqui e os comentários que fiz lá e em outros blogs têm a intenção de colocar uns pontos de interrogação em alguns mantras repetidos à exaustão e creditados ao advento da nova e grande teoria libertadora do liberalismo econômico, atrelada à globalização.

    E já pensou como um mantra com um ponto de interrogação pode ser uma ferramenta filosófica muito mais eficaz?

    Em vez de repetir-se infindamente, como que em um transe

    "todo monopólio é injusto, o monopólio estatal é mais injusto ainda"

    se instilasse uma dúvida aristotélica pela repetição de

    "todo monopólio é injusto? O monopólio estatal é mais injusto ainda?"

    ao menos geraríamos respostas mais satisfatórias à pergunta que hoje nem é feita.

    A intenção deste blog é, também, fazer isto com alguma graça.

    E tudo isto para explicar o porquê de ser "extremista".

    (Repórter)
    'What do you think of Western Civilization?'
    (Mahatma Gandhi)
    'I think it would be a good idea!'


    Em uma sociedade que se crê caudatária de Grécia e Roma, é natural que se encontrem aqui e ali saudosos de um golpe que ocorreu há menos de meio século atrás, como também é natural que se encontrem comunistas, peronistas e vascaínos andando pelas nossas ruas.

    E existe um teste básico para verificar esta simpatia pela democracia "por partes" (basicamente, só a parte que interessa ao tal simpatizante): em 1964, o Brasil deveria passar pela presidência de João Goulart e derrotá-lo na próxima eleição, se fosse o caso? O golpe e os 21 anos de ditadura não foram muito piores? As respostas estão na imprensa e em livros publicados nos últimos poucos anos e, na opinião deste jabuticaba aqui, não são alentadoras.

    Por trás de toda esta recém-descoberta paixão humanista pela individualidade e pela economia neoclássica parece haver toda uma agenda que nada tem de liberal, e eu sempre deveria escrever isto em um parágrafo só para ela:

    o bom e velho conservadorismo brasileiro.

    Pena de morte, prisão de menores, restrições de direitos diversos entre outras traficâncias da velha intolerância dos tempos de D. João Charuto, e outras novas adequadas às necessidades recentes da gente-bem: menos impostos para os negócios (vai ser curioso acompanhar a reforma tributária, se ela acontecer: como a maior parte dos impostos no Brasil é carregada por quem consome itens básicos, eu me pergunto se um corte de receita de impostos do governo no lado do povo "bolsa-família" satisfaria os negócios apenas por suas conseqüências macroeconômicas ou os deixaria com o muxoxo dos descontentes que não conseguem comprar um Nintendo Wii), instabilidade trabalhista, maior violência policial e prisão para todo mundo.

    E este é apenas um dos lados da minha crítica, sempre a ser feita com o melhor bom-humor que eu conseguir ter.

    Não nos enganemos a respeito da finesse e da classe dos nossos políticos. Vemos sendo governados por uma certa elite política a aspirar o ar de salões parisienses, para depois entrar em um carro com ar-condicionado no meio do cerrado desde 1960. Antes disso, só mudava que, ao menos, os governantes estavam no Rio.

    Libertariamente falando, é salutar que um semi-analfabeto seja capaz de bebericar vinhos finíssimos. Também o é que alguém incapaz de verter um substantivo básico ao plural seja vice-presidente, ou ainda que alguém com imensa dificuldade em escrever duas frases conectadas possa ser presidente: estou falando dos EUA, de Dan Quayle e George W. Bush.

    Os que tomavam vinhos caros e charutos cubanos nos nossos palácios antes não me inspiram simpatia maior por terem ido ao MIT e não ao Senai. Já dizia a propaganda de Sprite que imagem não é nada, sede é tudo. Nos EUA, o pré-candidato à Presidência do momento se chama Hussein Obama, e isto é um exemplo de liberdade, da liberdade primeva, daquilo que carregamos entre as nossas orelhas.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo13:53

    Hi there everybody, I just registered on this splendid community forum and wished to say hello! Have a good day!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo19:59

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo07:34


    [url=http://shenenmao.altervista.org/la-bonne-chose-sur-le-fabrique-a-la-main-sac-a-main/][b]sac longchamp[/b][/url]
    [url=http://shenenmaoyie.webs.com/apps/blog/][b]sac longchamp[/b][/url]
    [url=http://shenenmaoyii.altervista.org/sacs-decole-chic-pour-le-printemps/][b]sac longchamp[/b][/url]
    [url=http://shenenmaoyis.webnode.cn/][b]sac longchamp[/b][/url]
    [url=http://www.squidoo.com/shenenmaoyiss][b]sac longchamp[/b][/url]

    ResponderExcluir
  6. Anônimo18:22

    t Ugg Boots Classic have grown to be really a vogue symbol now. They're a rage with folks all around the entire world who simply just enjoy these boots. Pretty much every person throughout the world is waking approximately the acceptance of those boots. are probably the only brand of footwear in the market today that forthrightly says that they are more about the comfort than the fashion. Given the craze about fashion trends in the market for footwear today, UGG Australia stands out as a breath of fresh air, selling only basic unornamented comfort. These shoes have their origins in Australia, where they were common among shepherds and surfers back in the 1960. [url=http://www.uggclearancetang.com]ugg boots clearance[/url] Ugg Slippers, Ugg Boots Sale attract men and women. Today sheepskins shoes from Australia are adored internationally even celebrities don them. Many times in clothing sale you get clothes at a throw away price but need minor alterations, So that you can save money. Guys can wear ugg boots with denims. It is important that you care for ugg boots well and it is best to always follow the instructions for care as specified by the manufacturer. In this article, we give you a few tips that will help make caring for ugg boots easy..the designs are such that you can definitely make a style statement wearing them [url=http://www.uggsnowbootsclearance.net]Cheap Ugg Boots[/url] Competitive Australian surfers during the 1960s after having finished practicing surfing used these boots to keep their feet warm. In Australia people wear these boots and go around their house during mild winter. These unisex boots are available in different colours and sizes and can be worn without socks..additionally they proffer a new exquisite in combination with advanced expertise People are wearing these popular boots to the office, on the dance floor, out to dinner, and while on vacation to the slopes or to the shores. Whatever look you are trying to achieve, you can achieve it with ugg boots. And these boots are not geared towards any one segment of society.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vendeu muita uggs boot, hein malandro?

      Excluir